Elemar DEV

Tecnologia e desenvolvimento

Dissonância Cognitiva – A procura da batida perfeita

Olá pessoal. Tudo certo?!

Impressionante como bons amigos conseguem enriquecer nosso arcabouço conceitual. Renato Lorandi, um ótimo amigo, com sua simplicidade, tem me previlegiado com algumas reflexões inspiradoras. Uma delas, compartilho hoje: dissonância cognitiva.

Definição

Para não ficar “chovendo no molhado” vamos pegar a definição da Wikipedia:

Dissonância cognitiva é um termo da psicologia social, que se refere ao conflito entre duas idéias, crenças ou opiniões incompatíveis. Como esse conflito geralmente é desconfortável os indivíduos procuram acrescentar "elementos de consonância", mudar uma das crenças, ou as duas, para torna-las mais compatíveis.

O texto, por lá, vai mais longe. Veja:

Trata-se da percepção da incompatibilidade entre duas cognições diferentes, onde "cognição" é definido como um qualquer elemento do conhecimento, incluindo as atitudes, emoção, crenças ou comportamentos. A dissonância ocorre a partir de uma inconsistência lógica entre as suas crenças ou cognições (por exemplo, se uma ideia implicar a sua contradição). A consciência ou a percepção de contradição pode tomar a forma de ansiedade, culpa, vergonha, fúria, embaraço, stress e outros estados emocionais negativos.

E, por fim, o efeito positivo:

A teoria da dissonância cognitiva afirma que cognições contraditórias entre si servem como estímulos para que a mente obtenha ou produza novos pensamentos ou crenças, ou modifique crenças pré-existentes, de forma a reduzir a quantidade de dissonância (conflito) entre as cognições.

Embora também exista espaço para efeitos colaterais indesejados:

Em defesa ao ego, o humano é capaz de contrariar mesmo o nível básico da lógica, podendo negar evidências, criar falsas memórias, distorcer percepções, ignorar fatos científicos e até mesmo desencadear uma perda de contato com a realidade (surto psicótico).

Utilidade

Todos formamos e enraizamos crenças e pensamentos. Dessa forma, conseguimos responder mais rapidamente aos estímulos do mundo. Entretanto, esse mesmo artifício, tão útil no dia-a-dia prático, nos leva a deixar de perceber coisas importantes por serem, simplesmente, incompatíveis com aquilo que sabemos.

Reconhecer uma dissonância cognitiva é uma oportunidade para que observemos nosso processo de adaptação. Mais que isso, é sinal de humildade.

Se estivéssemos falando em redes neurais, poderíamos dizer que dissonâncias cognitivas disparam uma “recalibragem” de nossas sinapses. Pesos ajustados, uma nova forma de ver o mundo.

A busca

Buscar o crescimento intelectual/moral/ético é, fatalmente, buscar e aceitar dissonâncias cognitivas. Buscar deliberadamente por situações que desafiam nossa competência moral nos ajudam a evoluir moralmente.

Aceitar a dissonância cognitiva e, mais que isso, observar nosso processo é uma forma genuína de fugir do sofismo.

Concluindo

Entre dois processos, escolho aquele onde posso colocar em contestação aquilo que “sei”. Se o que “sei” não for suficiente para resolver um problema, tenho oportunidade real de aprender.

Afinal, a vida é muito curta para que gastemos nosso tempo vivendo um mesmo dia duas vezes.

Enjoy yourself, It’s later than you think.

Era isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 09/06/2012 por em Post e marcado , .

Estatísticas

  • 626,152 hits
%d blogueiros gostam disto: